Subscribe Us

Meus investimentos antes do blog : Renda Variável - Parte 4

Renda Variável : Rentabilidade e Risco



Dando continuidade a série de posts sobre minhas experiências em investimentos antes de iniciar este blog. No post anterior falei sobre  meus  investimentos em cryptomoedas que comecei em junho de 2017. Depois de conhecer a volatilidade do bitcoin e suas altcoins, como litecoin, dash entre outras. Tomei mais coragem e comecei a estudar e entender como é o mercado de renda variável no Brasil.
Home broker, dividendos, juros sobre capital próprio, ações preferenciais e ordinárias. O assunto era bem extenso e necessitava de alguns meses para não entrar em nenhuma roubada. 

Influências

Ao procurar na internet sobre este assunto me deparei com site do Bastter e o seu canal no Youtube. Fui bastante influenciado pelas orientações que eram dadas, dentre várias a mais marcante foi: Sócio é ON!
Dessa forma, atualmente só tenho ações ON, ou ordinárias, e um único fundo imobiliário na minha carteira:
Uma outra característica que procurei manter foi o fato das ações escolhidas para minha carteira estarem no Novo Mercado, devido a garantia de uma melhor governança corporativa, como estamos no Brasil não queria ser surpreendido ao se tornar sócio de uma empresa que estivesse envolvida em escândalos. Outra grande influência que tive foi do André Bona, com um estilo mais calmo do que o Bastter, informa e educa muito bem financeiramente. E consumindo o conteúdo desses dois influenciadores, principalmente, comecei a projetar que ações eu deveria ter na minha carteira. 

Taxas

Detalhe, como sou pequeno investidor, meus aportes por ativo financeiro são pequenos, de 500 a 1500 reais no máximo. Logo minhas compras são sempre no mercado fracionário, sem problemas. Mas confesso que durante meus estudos iniciais, esse era meu principal medo devido ao custos para investir no mercado de ações. 
Taxas de emolumentos, de liquidação e de corretagem altas me faziam pensar se valia a pena comprar no mercado fracionário. Foi quando começaram a surgir corretoras que tinham taxas de corretagem na faixa de 1,49 a 2,49 reais, e algumas até com taxa 0. Abaixo algumas dessas corretoras que atualmente estão com estas taxas:

Minha primeira Nota de corretagem

Depois de toda essa preparação, fiz meu primeiro investimento em renda variável. E a escolhida foi a LREN3 em dezembro de 2017. Meu histórico de investimentos nessa grande varejista pode ser visto aqui

Rentabilidade e o Risco

Em se tratando de investimento em ações, a rentabilidade e o risco sempre estarão intimamente ligados. E eu não gosto de correr riscos, isso é característica minha. Parece contraditório, mas as minhas ações são as mais conservadoras possíveis, claro que tem algumas que já considero de mais risco, mas tudo foi decidido e estudado para que eu não ficasse muito exposto ao risco que o mercado de ações traz. Minha distribuição atualmente que considero ideal para mim é 60% em renda fixa e 40% em renda variável e no momento estou bastante confortável com isso. Abaixo minha rentabilidade anual acumulada somente de minha carteira de renda variável:

rentabilidade anual acumulada carteira de renda variável

Máxima de 42,51% e mínima de -12,35% acredito que o histórico esteja bom até agora.

Postar um comentário

2 Comentários